A impunidade favorece o crime

Só o povão vai para a prisão

Só o povão vai para a prisão

Segurança pública no Brasil

O noticiário nos bombardeia diariamente com informações diversas, ora mostrando ações de policiais que resultaram em mortes de inocentes, ora mostrando as deficiências de treinamento e a defasagem dos salários de policiais, ou a luta do Gigante contra Golias, de um lado os traficantes armados até os dentes, com verdadeiros exércitos, e de outro a polícia desfalcada e quase pedindo licença para entrar nos morros.

Também ouvimos promessas de secretários e ministros dizendo que vão melhorar treinamento, armamento e salários, que vão reestruturar a polícia e bla-bla-bla. Vemos também flagrantes de policiais corruptos envolvidos em tráfico de entorpecentes e armas.

Assistimos outro dia a um confronto entre policiais civis e militares, os primeiros querendo invadir o palácio para reinvindicar melhores salários, os outros encarregados de impedir a manifestação.

Parece que a polícia está em guerra e o inimigo parte de dentro dela mesma, aos poucos minando as já combalidas forças policiais que têm como obrigação primária manter a ordem e assegurar a integridade do cidadão.

A legislação

Se por um lado você vai preso – e é crime inafiançável – se seu gato comer uma legítima ararinha azul – espécie em extinção, e portanto protegida pelo IBAMA, se matar alguém e conseguir provar que foi um acidente, ou se for réu primário, poderá ter um bocado de dor-de-cabeça, mas é certo que se tiver dinheiro para pagar um bom advogado e tiver um curso superior não vai passar nem uma noite na cadeia. Na pior das hipóteses vai cumprir pena em liberdade ou prestando serviço em algum órgão público.

Quando a Polícia Federal prende algum bam-bam-bam depois de muita investigação e muita campana, lá vem os advogados milionários e pagos a preço de ouro protestar que foram usadas algemas (excesso de violência) e que havia repórteres filmando (abuso de exposição de imagem), cabeças rolam, cargos mudam de dono e no final volta tudo ao que era antes. Só faltam ter que pedir desculpas oficiais.

Impunidade

Um país que pretende ser sério – e ser levado a sério – tem sim, que ter um conjunto de leis que estabeleçam o que é legal ou ilegal, o que é ou não passível de punição. Mas essas regras têm que ser cumpridas à risca, não dar margem à interpretações outras ou fornecer meios para que os espertos advogados dos réus triliardários retirem ilesos seus clientes, imunes às leis que governam a vida do restante da nação.

Qualquer empresário ou traficante que tenha a seu serviço um bom advogado (ou um grupo deles) consegue provar que é inocente, ou que há atenuantes, ou que tem problemas de saúde, ou que foi preso com abuso de qualquer coisa. Ou seja, no fim acaba em casa, saboreando uma bela pizza e rindo de nossas leis.

Vergonha

Como já dizia um âncora de TV, “isso é uma vergonha”, assistimos à derrocada de nossas leis, a esculhambação de nossa Constituição, que não nos assegura mais nada, apenas que se nós, cidadãos comuns, cometermos um crime, teremos que por ele pagar atrás das grades, mas que se um traficante responsável pela morte de dezenas (e porque não centenas?) de pessoas, dificilmente terá o mesmo azar. Se a coisa apertar mesmo, sempre pode esperar o julgamento em liberdade e desaparecer do país.

(Zailda Coirano)

Confronto de policiais em São Paulo

Os policiais civis faziam uma caminhada até o Palácio dos Bandeirantes reinvindicando o aumento salarial de 15% quando foram barrados pela Polícia Militar. O confronto deixou feridos e as cenas são inacreditáveis. Fala-se em manipulação política, mas para mim nada justifica algo que nunca imaginamos ver: a polícia que teoricamente deveria nos proteger transformando São Paulo em palco de uma quase guerra civil.

Se existem ou não interesses políticos por trás do movimento grevista é algo que fica agora em segundo plano, o fato ocorrido hoje em São Paulo é grave e creio que de muito mais importância que idéias políticas. Parece-me até um pouco de paranóia ou presunção do senhor governador achar que armaram todo esse circo no centro da cidade apenas para prejudicá-lo politicamente. Se os policiais foram ao Palácio é porque têm reinvindicações a fazer e não foram ouvidas ou atendidas antes.

Que a polícia está sucateada e os salários dos policiais sofrem um achatamento paulatino ao longo dos anos também já é público, e imagino que o uso político que se faça do problema parte dos próprios candidatos a governador, que quando se candidatam prometem melhorar os salários, fazer plano de carreira, etc. E depois não cumprem o que prometeram, não negociam decentemente com os policiais e ainda vêm com essa, está até parecendo o famoso discurso “forças ocultas querem me derrubar”.

Se tudo o que foi prometido antes da eleição tivesse sido cumprido, nada disso estaria acontecendo, senhor governador. E se depois de ter cumprido tudo o que prometeu antes de se eleger ainda assim isso acontecesse, aí sim seria o caso de tirar lá do fundo do baú: “forças ocultas querem me derrubar…”

(Zailda Coirano)

Entradas Mais Antigas Anteriores

Links mais acessados

  • Nenhum

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Contato