As mudanças

Toda mudança implica em perdas, porque se ganhamos aqui temos que abrir mão ali e é isso o que intimida muitas pessoas. Falando de mudanças, tive muitas em minha vida mas a que foi mais criticada foi minha mudança de emprego.

Eu tinha um emprego bem remunerado no Banespa, já trabalhava lá há 19 anos e já tinha tido diversas promoções, mas com a ameaça da venda do banco para o Santander nosso salário foi ficando achatado, fomos perdendo vantagens conquistadas ao longo dos anos e o trabalho foi aumentando.

Passei de contente a estressada e de estressada a ‘uma panela de pressão a ponto de estourar’. A pressão era mesmo enorme e eu sentia a cada dia que não conseguiria continuar nem mais um mês ali.

Faltavam anos ainda para a aposentadoria e eu estava certa de que não ia aguentar por muito tempo e se quisesse preservar nem que fosse uma pequena porção de sanidade mental teria que sair daquele emprego.

Durante os 19 anos que trabalhei no banco tive uma vida confotável e proporcionei tudo o que pude aos meus filhos, portanto quando saí eles não compreenderam a princípio que teríamos que mudar nosso padrão de vida. Como eu disse, todas as mudanças implicam em perdas.

É claro que eu abri um negócio e é mais claro e cristalino ainda que eu fali em poucos meses, perdi tudo e ainda acumulei uma montanha de dívidas. Para mudar geral o marido foi embora e fiquei com 5 filhos e desempregada. Isso aos 40 anos de idade e numa cidade com 10.000 habitantes, no interior de São Paulo.

Fui me virando como pude, os filhos começaram também a se mexer e procurar empregos e em 2 anos eu tinha pago todas as dívidas e estava com uma carreira nova em folha, na qual estou até hoje, mesmo aposentada.

Fiquei 4 meses sem emprego e logo fui chamada para dar aulas no CCAA, a princípio de espanhol e depois também de inglês. As mudanças foram tremendas e nem todas estavam no script, mas olhando para trás o resultado foi positivo.

Claro que eu sei que teria hoje uma aposentadoria infinitamente melhor, mas será que eu estaria em condições de aproveitá-la? Quais seriam os danos provocados por viver sob pressão, num emprego que eu estava detestando? E tudo isso por dinheiro?

Eu não faço tudo por dinheiro, na verdade faço muito pouca coisa por esse motivo. Se há dinheiro envolvido ele sempre fica em segundo plano. Se eu tivesse que escolher hoje um emprego novo, que me desse satisfação pessoal mas que não ganhasse muito bem, e outro onde eu ganhasse os tubos pra fazer alguma coisa chata, não teria a menor dúvida nem dor na consciência de escolher o primeiro.

As mudanças trazem vantagens e desvantagens, algumas vezes só as trocamos pelas que já tínhamos anteriormente, mas são mudanças e são bem-vindas. O que eu não compreendo são pessoas que vivem uma vida que não as satisfaz mas que se contentam apenas em reclamar e não fazem absolutamente nada para mudar, e se aparece uma oportunidade ficam paralizadas por medo de tentar.

Eu mudei e não me arrependi. E você, já teve alguma mudança radical na sua vida?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Links mais acessados

  • Nenhum

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Contato

%d blogueiros gostam disto: